2006-03-06

Mitologia: Eco e Narciso

Echo and Narcissus, by John William Waterhouse Eco era uma ninfa muito tagarela. Zeus pediu-lhe então que distraisse Hera enquanto andasse nas suas aventuras extraconjugais. Eco assim fez. Ao descobrir tudo, Hera sentindo-se traída e humilhada, condena-a a repetir apenas os fins de frases que ela ouvisse. Um dia, Eco vê Narciso e apaixona-se ardentemente por ele. Narciso era o filho do rio Céfiso e da ninfa Liríope. Era duma beleza invulgarmente rara. Todos os homens e as mulheres e até ninfas se apaixonavam por ele mas ele a todos desdenhava com uma inacessível frieza. Uma vítima do seu desdém pede aos deuses que ele sinta a dor de não poder possuir o objecto do seu amor e é atendido por Nemésis, a deusa castigadora da insolência. Aos 16 anos, Narciso perde-se numa caçada e inclina-se para beber água num riacho. Fica tão extasiado pela sua própria imagem que tenta agarrá-la. Porém, a imagem desvanece-se de cada vez que é tocada. Narciso, desesperado, deixa-se ficar perto da margem sem comer e sem dormir em vãs tentativas de satisfazer o amor de si mesmo. Alguns dizem que acabou por morrer de uma languidez triste. Outros referem que se afogou. O que se sabe é que em sua homenagem, nasceu uma flor que tem agora o nome de Narciso. Quanto a Eco, refugiou-se em grutas e recantos para fugir à dor do seu amor rejeitado. Dizem que ficou com a voz quase inaudível e que acabou por se transformar num rochedo...

3 comentários:

Blogger wind disse...

Adoro mitologia. Salvador Dali representou genialmente o "narciso":-)

3/06/2006 02:26:00 da tarde  
Blogger jacky disse...

Também adoro! :)

3/07/2006 12:02:00 da tarde  
Anonymous eco de mim disse...

olha, a minha história... ;) eh eh!

3/07/2006 06:31:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home